EUA cancelam pena de morte de ativista do movimento negro

Posted on 07/12/2011

0


Após a decisão desta quarta, Jamal cumprirá prisão perpétua, segundo as leis do estado da Pensilvânia

O ativista negro Mumia Abu-Jamal, ex-membro do grupo Panteras Negras, não será mais executado, informou nesta quarta-feira (07/12) a Procuradoria da Filadélfia, no estado da Pensilvânia, após 30 anos de batalhas legais.

Abu-Jamal foi condenado à pena de morte pelo assassinato do policial branco Daniel Faulkner em dezembro de 1981. Após a decisão desta quarta, Jamal cumprirá prisão perpétua, segundo as leis do estado da Pensilvânia.

Grupos de ativistas e defensores de direitos humanos haviam pedido a comutação da pena de morte de Abu-Jamal, já que o júri tinha sido condicionado durante o processo.

O promotor encarregado do caso, Seth Williams, disse nesta quarta que continuar pedindo a pena de morte para Abu-Jamal levaria o caso a uma "infinidades de anos de apelações".

Em outubro, a Corte Suprema dos EUA rejeitou um recurso da Procuradoria contra a sentença de um tribunal de apelações de 2008 que pedia um novo julgamento sobre o caso, já que o júri que condenou o réu recebeu pressões e instruções.

No entanto, a Justiça americana manteve sua condenação por homicídio, mas reconheceu que o júri esteve condicionado durante suas deliberações.

Judith Ritter, advogada de Abu-Jamal, comemorou a decisão. Segundo ele, "não há dúvidas que a justiça foi feita quando se rejeita uma sentença de morte de um júri desinformado".

Histórico

Abu-Jamal era taxista e locutor de rádio quando em 1981 se envolveu em uma troca de tiros com Faulkner em uma suposta disputa de tráfico.

Em suas quase três décadas na prisão, Abu-Jamal, alcançou a fama mundial devido aos ensaios que escreveu em sua cela contra a pena de morte e alimentou um movimento internacional por sua libertação.

Extraído do sítio Opera Mundi – ultima atualização em 07/12/2011

Anúncios