Homenagem a ex-repressor da ditadura provoca indignação no Chile

Posted on 22/11/2011

0


Krassnoff está envolvido na morte do cantor e compositor chileno Víctor Jara

A homenagem feita ao ex-repressor Miguel Krassnoff nesta segunda-feira (22/11), em Santiago, no Chile, provocou confrontos entre simpatizantes e opositores do regime de Augusto Pinochet (1973-1990). De acordo com a polícia, pelos menos 600 pessoas estiveram envolvidas no incidente e várias foram detidas.

O colaborador do Opera Mundi em Santiago Victor Farinelli teve a câmera fotográfica apreeendida pela polícia, que apagou as fotos do cartão de memória, jogou as pilhas fora e o equipamento no chão. De acordo com Farinelli, o jornalista Esteban Sanchez, da Rádio ADN, também teve o material destruído e foi detido e espancado dentro de um furgão policial, sem saber porque estava sendo levado.

Efe (21/11/2011)

Familiares e amigos de vítimas se manifestam em frente a clube que homenageou ex-repressor
"É inaceitável para o povo chileno a homenagem ao violador dos direitos humanos Miguel Krassnoff", disse a porta-voz da Associação de Familiares de Detentos Desaparecidos (AFDD), Mireya García, citada pelo Prensa Latina. A dirigente do grupo de direitos humanos rejeitou a iniciativa do prefeito de Providencia, Cristián Labbé, a favor do ex-repressor e ex-membro da polícia secreta de Pinochet. Na homenagem a Krassnoff, foi lançada a quarta edição do livro "Miguel Krassnoff: Prisioneiro por servir ao Chile".
"Não se pode aceitar uma homenagem como essa, a um criminoso, alguém que soma mais de 140 anos de prisão por crimes de lesa humanidade", destacou García. Ela denunciou também a repressão policial à qual foram submetidos centenas de pessoas que se manifestaram perto do clube Providência, onde aconteceu a cerimônia. "A repressão foi extremamente violenta contra umamanifestação que só tinha cartazes, fotos de desaparecidos."

Efe (21/11/2011)

Krassnoff está envolvido nos assassinatos do cantor e compositor Víctor Jara e do líder do MIR, Miguel Enríquez
Além disso, disse García, a polícia utilizou "gás lacrimogêneo contra nós, muita água lançada diretamente nos corpos dos manifestantes, entre os quais muitos jovens, mulheres, dirigentes sindicais e representantes de organizações sociais". Segundo ela, "no meio de tanta indignação, foi alentador ver tantos jovens manifestando-se, porque é sinal de que a memória histórica no Chile está viva".
De acordo com investigações judiciais, Krassnoff está envolvido nos assassinatos do cantor e compositor Víctor Jara e do líder do Movimento de Esquerda Revolucionária, Miguel Enríquez, entre muitos outros crimes.

Extraído do sítio Opera Mundi – ultima atualização em 22/11/2011

Anúncios