Hoje na História: 1294 – Morre o frade franciscano Roger Bacon

Posted on 07/11/2011

0


Roger Bacon, também conhecido como ‘Doctor Mirabilis’ (em latim, Doutor Admirável) um dos mais famosos frades franciscanos de seu tempo, morre em 7 de novembro de 1294 em Oxford. Filósofo inglês, Bacon deu considerável ênfase ao empiricismo e é tido como um dos primeiros defensores do moderno método científico, apesar de estudos posteriores o terem ligado às tradições da alquimia e do ocultismo.
Bacon teria nascido em Somerset. A única fonte da data de nascimento é sua afirmação em Opus Tertium, escrita em 1267, em que diz que “40 anos se passaram desde que aprendi o alfabeto”. Ele deve ter se matriculado em Oxford aos 7 anos, portanto, provavelmente seu ano de nascimento está por volta de 1220.

Wikicommons

Estátua de Roger Bacon no Museu de Oxford

Bacon estudou e mais tarde se tornou mestre em Oxford, especializando-se em Aristóteles. Não há evidência que tenha conquistado o doutorado. O apodo Doctor Mirabilis é póstumo e figurativo. Viajou a França em 1241 para lecionar na Universidade de Paris. Ensinar Aristóteles havia sido proibido porque seus textos eram disponíveis somente por meio de comentadores islâmicos. Mais tarde, depois de retornar à Inglaterra, provavelmente em 1253, ordenou-se frei franciscano.
As duas grandes ordens, Franciscanos e Dominicanos, há pouco haviam sido criadas e logo passaram a liderar as discussões teológicas. Alexandre de Hales comandava os franciscanos enquanto a ordem rival tinha a sua frente São Tomás de Aquino e Alberto Magno.
O treinamento científico que Bacon recebera mostrou-lhe as falhas do debate acadêmico existente. Aristóteles era conhecido por meio de traduções defeituosas. O mesmo se podia dizer das Sagradas Escrituras. A ciência física não era tratada via experimentos e sim por argumentos baseados na tradição.
Bacon deixou sua rotina escolástica, dedicando-se à pesquisa experimental e linguística. A virulência dos argumentos contra Alexandre de Hales, que defendia o ensino dogmático, levou-o a ser recebido em Paris como êmulo de Aristóteles, Avicena e Averroes.
Em 1256 um novo chefe do ramo científico da ordem franciscana na Inglaterra foi indicado: Ricardo de Cornwall, com quem Bacon dissentira fortemente no passado. Transferido para a França onde passou cerca de 10 anos, Bacon escreveu ao cardeal Guy de Foulques, que se interessou pelas suas ideias, pedindo-lhe que produzisse um tratado detalhado. Constrangido por uma lei de sua Ordem, que exigia permissão para publicar obras, inicialmente hesitou.
Opus Majus
O cardeal tornou-se o papa Clemente IV e instou Bacon a ignorar a proibição. Escreveu então a Opus Majus, um tratado sobre gramática, lógica, matemática, física e filosofia. Foi seguida no mesmo ano pela Opus Minus, um resumo das principais ideias do tomo anterior. Em 1268, enviou um terceiro trabalho, o Opus Tertium, ao papa que morreu sem lê-lo.
Foi preso em 1278 pela Ordem em Ancona acusado de feitiçaria por difundir a alquimia árabe e pelos protestos contra a ignorância e imoralidade do clero. Aparentemente, permaneceu preso por mais de 10 anos até a nobreza londrina conseguir sua libertação.

Bacon morreu sem ter importantes seguidores, foi rapidamente esquecido e assim permaneceu por longo tempo.

Extraído do sítio Opera Mundi – ultima atualização em 07/11/2011

Anúncios