‘A gente precisa de ajuda para ontem’, diz professora agredida com bola

Posted on 28/10/2011

0


Educadora foi atingida por bola de basquete em Campinas, SP, e desmaiou.
Para a professora, a estrutura do sistema educacional chegou ao limite.

Raphael Prado Do G1 SP, em Campinas

 

A professora Maristela Marçal está tomando analgésicos e ficou em observação depois de sofrer desmaio (Foto: Raphael Prado/G1)

A professora Maristela Marçal está tomando analgésicos; ela ficou em observação depois de sofrer desmaio (Foto: Raphael Prado/G1)

A professora de educação física Maristela Marçal, agredida por um aluno com uma bola de basquete em Campinas, no interior de São Paulo, disse ao G1 nesta sexta-feira (28) que a violência é reflexo das deficiências estruturais da educação. Ela dá aulas há 19 anos – 12 deles na Escola Municipal Padre Francisco Silva, onde o caso aconteceu na tarde de quinta-feira (27).

Saiba mais

Atingida na nuca pela bola, Maristela desmaiou e foi levada ao Pronto-Socorro Municipal do Hospital Ouro Verde. Ela ficou em observação até o fim da tarde de quinta e foi liberada em seguida. Está tomando analgésico, disse que ainda sente dores musculares, mas não teve nenhuma consequência mais grave.

Maristela descreveu o autor da agressão, um aluno de 15 anos, como um "menino com muita habilidade, extremamente inteligente, mas que não está canalizando a inteligência para algo bom". Ela disse que o garoto tem problemas de relacionamento com outros colegas e professores.

"Esse é apenas mais um de vários casos que temos na escola", contou. Segundo a professora, no último semestre outros dois colegas de sala de aula registraram boletins de ocorrência por agressão. "Verbalmente, somos agredidos todos os dias e eu tenho aguentado."

Em 2010, a escola municipal mudou de prédio e passou de 500 para 700 alunos. Começou 2011 sem orientadora e sem vice-diretora. "Enquanto o sistema achar que tem que colocar aluno na escola e virar as costas, nada vai funcionar. Esse caso [a agressão] poderia ter sido evitado", disse Maristela. A professora criticou o fato de a discussão sobre a educação no Brasil só ocorrer quando algo grave acontece: "A gente precisa de ajuda para ontem".

Maristela passou três meses de 2010 afastada da escola, em tratamento para estresse. Essa situação é cada vez mais comum no Brasil. "Em alguns casos, estamos admitindo que estamos derrotados em educar", afirmou a professora. "Tenho certeza que outros colegas, pelo Brasil, também estão passando por isso. E ninguém faz nada."

A educadora lembrou do caso em que um aluno baleou a professora dentro da sala de aula e depois se matou, em setembro, em São Caetano do Sul, no ABC, como exemplo de quando a mídia dá atenção para a educação. "Só quando acontece coisa mais grave as pessoas agem", lamentou.

Maristela disse que ainda não sabe se vai registrar um boletim de ocorrência por conta do caso. Ela disse que não conhece os pais do aluno agressor. Afirmou também que não está com medo de voltar a dar aulas – embora vá ficar afastada por alguns dias por acidente de trabalho. "Temos lá 10, 15 alunos problemáticos, mas eu penso nos outros quase 400 que merecem ter minha aula", disse.

A professora acabou de defender a tese de mestrado com o tema "Sentido e significado da escola na perspectiva do aluno". Ela acha que o que acontece na escola é reflexo de uma sociedade agressiva. "Tem pais que perguntam para a gente: ‘o que eu faço com o meu filho?’", contou.

Medidas
Segundo a Secretaria da Educação de Campinas, o aluno e seus pais serão chamados pela diretora da escola para explicar o ocorrido. Eles receberão orientação. A secretaria irá analisar também a atitude dos professores, que dispensaram os alunos após o ocorrido.

Fachada da escola onde aconteceu a agressão, em Campinas, SP (Foto: Raphael Prado/G1)

Fachada da escola onde aconteceu a agressão, em Campinas, SP (Foto: Raphael Prado/G1)

Extraído do sítio G1 – ultima atualização em 28/10/2011

Anúncios